Blog

Fique por dentro das notícias mais importantes

Da redação.

Uma grande preocupação dos jovens nas últimas décadas tem sido a referência – e muito suor e estudo – para as concorridas vagas das universidades estaduais e federais. Até então, principalmente até o início deste milênio, ter formação em uma faculdade renomada e disputada poderia colocar o profissional alguns pontos à frente da concorrência.

Mas, na Era da Informação e Tecnologia, em meio a tantas inovações e atualizações por segundo, a exigência do mercado mudou. E isso foi constatado por Jeff Weiner, CEO do LinkedIn, a maior plataforma de negócios do mundo. Durante uma apresentação na ASU GSV Summit, nos Estados Unidos, o executivo afirmou que o importante a ser analisado durante uma contratação é a ética, perseverança, lealdade e a “mentalidade de crescimento”, o Growth Mindset, um conceito que vem crescendo no mundo dos negócios.

Para Weiner, ao analisar currículos ou perfis no LinkedIn, muitas empresas têm desconsiderado fatores essenciais, como as habilidades e qualidades que não necessariamente estão em um diploma. “E, no entanto, cada vez mais, achamos que esses são os tipos de pessoas que fazem a maior diferença dentro da nossa organização”, defendeu. Segundo o CEO, isso não quer dizer que habilidades dispensem diplomas, mas que as perspectivas devem ser expandidas para ir, além disso.

“No processo de contratação o mantra ‘habilidades, não diplomas’ faz todo o sentido”, acrescentou.

E, de fato, o CEO do LinkedIn está certo, já que a Future of Jobs & World Economic Forum apontou como as 10 principais habilidades para os profissionais em 2020 itens que dificilmente são aprendidos em universidades. Para o Fórum Mundial da Economia, o profissional deve ter, nesta ordem de importância, a capacidade de resolver problemas complexos, pensamento crítico, criatividade, habilidade em gestão de pessoas e coordenação em conjunto. As características seguintes devem ser inteligência emocional, julgamento e tomada de decisão, orientação a serviços, negociação e flexibilidade cognitiva.

Seguindo esta linha, os planos do LinkedIn incluem disponibilizar a todos os usuários o gráfico global que aponta quais habilidades estão sendo mais demandadas e até oferecer cursos online.

“Nos últimos anos, as empresas têm percebido que existe muito talento escondido e que muitas pessoas inteligentes e apaixonadas estão desprezando o ensino superior tradicional”, disse Weiner.

Por isso, é uma grande tendência nas empresas o fortalecimento de programas internos nas áreas de gestão, liderança, habilidades técnicas e desenvolvimento de carreira.

Para o CEO, o ideal seria repensar os sistemas educacionais vigentes, de modo a reforçar as habilidades exigidas atualmente, com bases sólidas em leitura e escrita, programação e matemática, e, principalmente, criatividade, comunicação, pensamento crítico, improvisação, automotivação e empreendedorismo.

“Acredito que os empregos atuais e, principalmente, do futuro dependem da educação do presente e de um aprendizado contínuo. Mas, no momento, sim, diplomas podem nos levar a encontrar talentos incríveis, mas há muito talento para ser encontrado se as pessoas estiverem abertas a buscá-los em lugares diferentes”, pontuou.

No comments yet

Open chat